Shondanás ataca novamente.

Sim, esse é outro post cheio de spoilers sobre outra season finale de outro seriado que eu acompanho: Grey’s Anatomy.

greys
Nos dois dias que eu demorei pra conseguir assistir essa finale (que foi ao ar na quinta passada), vi tanto comentário enlouquecido, que preciso dize uma coisa apenas: vocês me decepcionam!
Tanta gente falando de tragédia e não-sei-mais-o-quê, e de tragédia mesmo eu só vi o acidente do ônibus. E, claro, o fim de Calzona, que é triste, mas vamos ser sinceros: we saw it coming. Arizona nunca perdoou a Callie por causa da amputação. É, minha gente, eu sei que é tenso. Fazer o quê. E depois, chamaram Hilarie Burton pra trazer à vida uma releitura da minha amada Peyton Sawyer e ela é linda, ela é loura, ela tem uma risada que vamos combinar. Ela é um problemão para casamentos em crise. Como eu disse, nós podíamos prever isso aí. E o pior: eu quero demais que a Lauren passe a ser regular. Pronto, falei.

Peyton Sawyer destruidora de relacionamentos reencarnada

Meredith tendo o bebê e quase morrendo mais uma vez. Pensei que Shonda ia pegar leve com a Mer nessa finale, porque afinal de contas a temporada anterior terminou com ela no meio do mato, a irmã morta, todo mundo bem fodido, mas Shondanás é Shondanás por um motivo. Lógico que a gente tinha a mais absoluta certeza de que ela não ia morrer simplesmente porque ela é a personagem principal desta bodega, mas dá um nervoso, não dá? hahaha. E eu gostei dessa parte do episódio, também. Mer gritando com o Ross, Bailey finalmente de volta à O.R. pra salvar a pupila, Cristina de mãos dadas com Derek, Mer desmaiando, Ross pirando, Bailey parando no meio da notícia e o nosso coração dando pulinhos de WTF, BAILEY? CE MATOU ELA? Enfim. Eletrizante.

McBaby! E o nome dele é Bailey!

E por falar na Cristina… Cristina e Owen. Teve um episódio nessa temporada, eu não lembro qual episódio, em que a Cristina falou pro Alex algo do tipo: “Eu vou perder o Owen. Não agora, mas já está acontecendo. Um dia desses, ele já vai ter ido.” Bem. Chorei. Shippei Crowen desde bem lá no comecinho. Na minha opinião, é o casal desfuncional que mais funciona junto. E é uma droga ele querer ter filhos e ela não. Ela é minha favorita da série e uma das minhas favoritas de todos os tempos, e eu espero que Shonda arrume um jeito de ela ser feliz. E rápido. Yang sabe o que quer e sabe bem o que não quer. Muita gente diz “oh, Cristina, porque você não engravida logo de uma vez blbalbla” e eu digo pra essas pessoas: calem suas bocas. Só em série ter filho é assim fácil. Ela não quer filhos porque ela não quer filhos e é um direito dela não ter filhos. FIN. E o fato de ela não mudar quem é pra agradar as outras pessoas, isso é o que faz ela ser uma das minhas favoritas. Ame-a ou deixe-a.

shoray

Japril. Peo que eu tenho lido, acho que sou a única fã de Grey’s que gosta da April. Ela partiu meu coração na cena em que o ônibus explode e todos achamos que Jackson tinha morrido. Curti muito ela ter ido procurá-lo depois. Só uma coisa me deixou desconfortável: ele disse “Você vai se casar” ao que ela respondeu “A menos que você me dê um motivo”; o que quer dizer que devemos esperar mais ou menos até o meio/final da próxima temporada pra o Jackson resolver que quer ela de volta e dizer isso às vésperas do casamento com o Mathew, apenas porque esse é o jeitinho da Shonda.

Jackson, até eu te quiero

Jalex. FINALMENTE, SENHORAS E SENHORES. Finalmente Alex encontrou uma moça que tem tanta bagagem estranha quanto ele, faz tanta cagada quanto ele, faz tanto mea culpa quanto ele. E finalmente ele disse que a amava. E finalmente eles se beijaram. Aleluia.

Quanto ao Webber: ele é excelente. Amo o personagem, é claro. Mas eu não estou preocupada com ele. James Pickens tem o contrato assinado até o final da próxima temporada e, se não fosse por isso, o Richard quase não tem tanto destaque mais. Não é mais o chief, a mulher dele já morreu (RIP Adele), então o quê mais? Nessa finale, ficou óbvio que ele ganhou mais destaque no plot do ataque de nervos da Bailey exatamente porque causa dessa acidente. Shonda má! Não vejo porque ele morreria exatamente por isso, Shondita gosta de matar aqueles que mais amamos. Lógico que amamos Richard, mas a perda dele não seria a mesma coisa que foi a perda do Mark e da Lexie, DAS QUAIS EU AINDA NÃO ME RECUPEREI. NUNCA ESQUECEREI DR MCSTEAMY. JAMAIS DEIXAREI DE AMAR LEXIPEDIA.

E é isso.
Te vejo em setembro, Grey’s Anatomy!

P.S.: Adiciona eu no orangotag!

Anúncios

Mother, só tem uma

<3

Das 28 (oi!) séries que eu assisto, a favorita do meu coraçãozinho é How I Met Your Mother. Comecei a assistir lá em 2006 porque baixei por engano o episódio piloto (risos) e não parei mais. Todas as piadas internas, a cumplicidade, as pisadas na bola, todo o carinho, todo o perdão. Ganhou meu coração.

E daí, já estamos indo para a nona – e última –temporada. Ontem, na season finale da oitava temporada, sete anos depois do primeiro episódio, nos foi finalmente apresentada a Mother.

E NÃO LEIA MAIS SE NÃO QUISER ACHAR SPOILERS! 🙂

Ela ainda não tem nome, sua aparição foi muito pequenininha, bem no fim do episódio, e essa é a carinha dela:

oi, eu sou a mother

One ticket to Fairhampton, please?

Eu não vou dizer que todos vocês que tão aí reclamando pra caralho da mãe e dizendo que ela é sem graça comem cocô, porque né.
Mas gente, vocês comem? A mother é Cristin-fuckin-Millioti. A mulher já ganhou até Tony. Gente sem graça não ganha Tony.
A gente precisa ver os dois juntos antes de achar tudo uma bela merda. Vai que funciona?

Muitos reclamaram que “ah, poxa, mas eu gostava tanto da Robin com o Ted”. Eu também gostava. Mas a gente sabia, desde que Ted começou a se referir a ela como “aunt Robin”, que ela não seria a mãe. E a gente também sabia que nenhuma das outras (Victoria, Stella, Zoey) seria. Quer dizer, teria sido Victoria ou Stella – e até mesmo a Robin – se a série tivesse de acabar sem um final planejado, decidido, como vai acabar no ano que vem. E eu sinceramente prefiro a Robin com o Barney. Que graça teria o legendário Barney Stinson se ele não crescesse, como todos os outros personagens? E, convenhamos, ele não poderia jamais se casar com alguém que ele conhecesse usando as táticas do playbook. Não faria o menor sentido. Lily já estava comprometida com o Marshall quando a série começou. NPH é gay, mas o Barney não. Então quem sobra? Sim, Robin.

Não sei que furor é esse que vocês estão sentindo “aaaahhh que sem graça, ele só a conhece no dia do casamento, pfffff”. Gente! Have faith! Reclamar que nem uns malucos não vai fazer a série começar a andar do jeito que vocês resolverem que vai. Ele ainda não a conheceu, então que ódio é esse de revelarem pra gente o rosto dela?

Eu acho que vai dar um frio na barriga a mais, um quê de sabermos onde cada um dos dois está, e, aos poucos, os caminhos deles se encontrarem. ❤

Como sempre, ainda não decidi se acho maravilindo ou muito triste já terem revelado a mãe. Quer dizer que a série vai acabar, mesmo.  E eu sei que já está mais do que na hora, mas… ah. É claro que eu vou baixar tudo de novo, desde a primeira temporada, pra me despedir propriamente quando chegar a hora.

Já to com saudade.

Agora clica aí embaixo e me adiciona no orangotag! ↓

sou doente

sou doente

Awkward

Daí que eu não tenho limites e resolvi que assistir 16 séries simultaneamente não estava bom, eu tinha que procurar uma nova pra ser a de número 17. E ainda nem vi Game of Thrones, pra essa eu to guardando o número 18 que é par.

É chato porque eu tava querendo não gostar, tipo quando eu vi Community e achei uma bosta. Mas eu não sou exatamente a melhor pessoa para comentar esse tipo de coisa, estou apenas sendo metida a besta e é sabido que eu não tenho muitos parâmetros, visto que uma das minhas séries favoritas é One Tree Hill.

Vamos ao que interessa: Awkward é a nova série da MTV, que conta a história de Jenna Hamilton, uma adolescente de 15 anos (minha idade mental) que é socialmente ignorada e, depois de um acidente esquisitíssimo no banheiro de casa, passa a ser o centro das atenções porque todo mundo acha que ela tentou cometer suicídio. Li em algum lugar que Awkward seguiria a linha Glee, onde os “losers” são considerados o centro das atenções. Concordo em partes, mas me lembrou muito mais Freaks And Geeks, minha série favorita. Infelizmente, a MTV falhou em não trazer para esta nova série uma trilha sonora tão sensacional quanto a de FnG, realmente uma pena. Jenna traz em si aquela coisa Lindsay Weir de querer ser valorizada por outras pessoas e experimentar coisas novas. E sua antagonista, Sadie Saxton parece tão malvada quanto parecia no início minha amada Kim Kelly. Até achei as atrizes parecidas, falaí se eu to louca:

Molly Tarlov e Busy Philipps, separadas na maternidade

 Awkward se comunica, usa a linguagem jovem sem parecer forçado. E distrai, muito. Fico imaginando qual vai ser a próxima merda que Jenna vai fazer. Vamos acompanhar.

Update: esqueci de falar dos pais sensacionais da Jenna. Como ela nasceu quando seus pais ainda tinham 17 anos, eles não estão exatamente prontos pra encarar uma adolescente. É divertido vê-los tentar.