Toda segunda:

¤ acordar atrasada e cansada;
¤ lutar contra a imensa vontade de permanecer escondida debaixo das cobertas;
¤ não ver absolutamente nenhuma mudança, apesar do esforço incessante;
¤ andar pela casa nos seus chinelos;
¤ chorar um pouquinho pra ver se passa.

Anúncios

Momento mole de uma tarde de abril
–                                                        Flora Figueiredo 

(…)
Cheiro de café fresco,
vindo da cozinha.
Tem coisa melhor que manteiga derretendo
em pão quetinho ?
Às vezes Deus acerta tanto
que a gente nem sabe como agradecer.
Por isso é que não se mata passarinho.
E tem goiabada com queijo,
melado com farinha,
pinga com limão.
O resto, a vida ajeita.
Não fosse a obrigação,
a Criação teria saído bem perfeita.

Anu branco dá azar.
Passa, danado!
Vai assombrar o telhado do vizinho,
que hoje é feriado e não quero amolação.
Pai-Nosso só amanhã.
nem banho, nem barba feita,
nem ouvido pra conversa de mulher,
Um futebolzinho na televisão,
um noticiário qualquer,
até o sono chegar, dando coceira na nuca,
coisa mais maluca, sem pé nem cabeça.
Antes que o corpo amoleça,
um cigarro e mais um trago,
que desse mundo nada se leva
e essa vida não vale um vintém.
(…)